sábado, 31 de março de 2012

>>>>>Pedal 24-03-2012 São Miguel, Bom Recreio, Santa Teresinha, 3 Cerros, São Valentim, Roselândia.

    Tinha feito um percurso diferente no Google Earth a algum tempo, o coloquei em prática neste último sábado, por onde passei: São Miguel, Curva dos Pinheiros, casa roxa, (ex)Zóca, Bom Recreio, MST, Santa Teresinha, novamente no Bom Recreio nos altos junto a escola as margens da RS 153, Santa Gema, 3 Cerros, São Valentim, Vila Rosso, São Roque, Roselândia.
O que sobrou do Zóca, nada!
   De início, um pedal bem conhecido, logo que cruzei pela comunidade de Santa Teresinha, entrei a esquerda, esta estrada sai depois do cemitério de Encruzilhada Müller, mas não iria até lá, entrei novamente a esquerda, com 21 quilômetros rodados, a partir dali tudo era novidade.
    Uma longa descida me esperava.
Tudo que desce, sobe!
    No meio da mesma, um grande estouro na roda traseira, achei que foi uma pedra, que nada, mais um raio quebrado, maldito seja o raio chato, não seja enganado quando te disserem que isso é bom...
    Como não comprometeu muito, continuei sem mexer na roda, lógico que no final de uma grande descida tem um rio/sanga, e logo que cruzei iniciou uma boa subida, cheia de pedras grandes, algumas soltas.
Túnel verde.
     Pouco antes de cruzar a RS-153, um túnel verde, uma bela paisagem antes do asfalto 'gosmento', ao chegar no 'gosmento', apenas o atravessei, existe uma estrada de chão batido paralela a RS até o meu próximo destino, agora em direção a Santa Gema.
Uma vista diferente da localidade de Santa Gema.






  







     Pedalando agora rumo a Santa Gema, a estrada vai 'desaparecendo' com o passar do tempo, sai no final da estrada que passa em frente a igreja de Santa Gema, já próximo a Barragem de Ernestina, estou pedalando no sentido da igreja, até encontrar esta placa:
Será que me aguenta?
     Ali desci rumo ao desconhecido novamente, em uma estrada que lembra muito a do Jacó, chão batido no meio da plantação.
   Passei por algumas porteiras abertas, a impressão que daria a lugar algum, até chegar a imponente e abandonada/condenada ponte.
  A ponte está com uma "barriga", como não tinha um bom ângulo para fotografa-la, não deu para dar a dimensão da "pança".
"A ponte de Londres está caindo, está caindo, está caindo...."
  Dali passei por dentro de uma cooperativa, já em estrada conhecida até sair próximo a entrada dos 3 Cerros, na estrada de Capinzal.
Rumo aos 3 Cerros.
   Já era 17:20 quando entrei na estrada para os 3 Cerros, a noite iria me pegar...
   Ao me aproximar de São Valentim, o frio também deu as caras e uma dúvida, encarar a lomba ou ir por Nossa Senhora das Graças?
     Bom, nunca fui de afrouxar para subidas, então encarei a bicha, a mesma estava em boas condições, possibilitou subir em pé, no prato do meio e na segunda pinha no cassete, lembrando que minha magrela é de 24 marchas.
Este é o "morrinho" que se escala em São Valentim.
   Nos altos do São Valentim uma parada para admirar o por-do-sol, de 'cair os queixos'.
      A noite me pegou em Vila Rosso, como não saio de casa sem faróis e baterias carregadas, sem problemas. Cheguei ao centro da megalópole por volta das 19:30.
Em algum lugar deste horizonte está Nicolau Vergueiro e Ibirapuitâ.










I Love Small Tits.










Cadê o Steve Guttenberg, isso ai é  Cocoon.

IIIIhhhh, cambada de nojento...
TCHAAAMM!!!!
      No total foi pouco mais de 71Km, em 4° 22' pedalados a uma média de 16.2Km/h.
   


    
  
    "Chegando o inverno, 
a melhor época para pedalar, 
                               aproveite!"
                                   Kusma.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Borat no ciclismo

                                        O maiô do personagem do filme Borat, esta formando seguidores neste esporte, eu fora!
Borat



  Mas o pior é estar pedalando lá no meio do nada e cruzar com um desses:
Me lembrou alguém!

terça-feira, 20 de março de 2012

Vídeo do Pedal 17-03-2012 Capingüi

   Mais uma megaprodução independente, a edição não ficou grandes coisa, mas a trilha sonora é para relembrar os bons tempos, quando existia boa música nacional, faz teeeeeemmpoooooo.......


  Para ver o vídeo, desligar o player automático do blog na coluna da direita, junto ao cachorro>>>>>>>>>>>   
Pedal Capingüi por Kusma no Videolog.tv.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Pedal 17-03-2012 Capingüi

    Mais uma aventura diferente neste sábado, e antes que alguém pergunte o que tem de diferente em pedalar até o capingüi, que tal ir no alto da ponte férrea.

     Saímos de casa eram 13:35, chegamos no Cecy as 14, como enviei e-mail em cima da hora, respondido apenas pelo Xyko, e distâncias acima de 50Km arrepia alguns, e a impossibilidade do Igor de ir, já imaginávamos que seria nós mesmos.
   Iniciamos o pedal pela vila Ricci, até porque queríamos passar pela área do aterro para ver se já tinha passagem, agora se faz uma volta um pouco maior que antes, mas o "cruzo" por ali esta liberado.
Logo após a Sede Campestre do Comercial.
    Quando termina o asfalto são muitos pontos com britas e pedras mau espalhadas pela estrada.
   Em alguns pontos tem tanta brita ou pedra, que se torna impossível a pedalada, tanto a subir como a descer, ai não resta mais nada a não ser "arriar" da bike e empurrar mesmo, no mais puro modo Jaiminho...


Vai que eu quero ver!?






















  Pedalávamos em ritmo tranquilo e descontraído, chegamos na portaria do Capingüi para pegarmos uma água, e como sempre, fomos bem recebidos. 
   A partir dali nosso objetivo, um quilometro a pé pelos trilhos ao bom estilo "Conta Comigo".
Conta Comigo (Satand By Me) 1986.
  Levamos uns 20 minutos para chegar a ponte, caminhar nos trilhos de sapatilha empurrando a bike não é algo muito agradável.












  
    
    A vista lá de cima é impressionante, se enxerga longe, nos altos dos morros se enxerga a estrada que leva as Salamarias, com um corredor formado por pinheiros.
Estrada que leva as Salamarias.
  lógico que a seca dá sinais visíveis da sua 'atuação', a barragem está em um nível bem baixo, juntamente com o rio que segue logo após o a represa.
Quero ver voce dar um bico do trampolim.
Vista de um dos mirantes da ponte.












   
    
    Cruzamos toda a extensão da ponte, descendo por uma trilha a esquerda, e cruzando por baixo da mesma.
Óia!!!
    As horas passaram rápido, então decidimos retornar pelo mesmo caminho, mesmo sabendo das 'duras pedras' e de mais alguns trechos caminhados.
   A noite nos pegou no cruzamento da estrada que vai ao lixão, chegamos na "civilização", início da Vila Ricci as 19:30.
A mesma paisagem sem zoom...
  
...com zoom.
He-Man, ná-ná-ná-ná, tã-tã,...He-man...
   






   


  
            No total foram pouco mais de 68Km, em 4° 55' pedalados/caminhados a uma média de 13.8Km/h.
Pula diabo!!!
A velhinha vai onde muita novinha jamais irá!
Mato Castelhano ao 'longe'!
Aterro após a Vila Ricci, agora com passagem.


Kusma                                                                                     Beto









                  "Sem esforço, não se vai a lugar algum!"

                                                     Kusma.